Escolha pela Educação

02/03/2018
"A forma como me relaciono com as pessoas tem a ver com a educação que recebi aqui."

O olhar de quem quer mudar o mundo brilha diferente. A Paula escolheu seu lado e é pela via da educação universal e irrestrita. Ela vem de uma família de educadores, gestores da cultura, artistas... Escolher a Educação como profissão, ela ficou em terceiro lugar em Pedagogia na UFC, foi se maturando ao longo do caminho.

“A educação é a base de tudo. Todos os problemas que a gente têm no país sempre acabam com a mesma constatação: se a educação fosse melhor não seria assim.” Paula já elegeu suas primeiras bandeiras: valorizar mais os professores e disciplinas como literatura, uma paixão. Reforma no Ensino Médio, situação política no Brasil... Ela se interessa por todos esses temas, pelas políticas públicas, como aluna e como cidadã.

“Eu estudei em dois colégios que me deram uma bagagem muito grande em relação à educação, para que eu faça minhas próprias escolhas. Estudei no Canarinho até o 5º ano e no Santa Cecília do 6º em diante. Percebo as diferenças entre essas duas escolas, mas também a necessidade das duas na minha vida. Eu sei que tive acesso a uma educação diferenciada, muito mais abrangente, e eu acho que todo mundo deveria ter esse direito.”

Ela pensa em se especializar fora do país, mas não abre mão de fazer a graduação aqui. “Se a minha escolha está associada a questões sociais e políticas do Brasil, como vou sair para conhecer outros contextos nesse primeiro momento? Como vou mudar a realidade longe dela?” Se a sala de aula fosse dela daria aulas preferencialmente de História e Artes.

Do Santa Cecília, Paula leva fundamentos que interferem no seu modo de ver o mundo. “A forma como me relaciono com as pessoas tem a ver com a educação que recebi aqui. Talvez não fosse tão cuidadosa com elas, não pensasse tanto nos outros. Sinto que de fato a vida acontece aqui. Me disseram no início que eu seria mais uma em mil, mas aos poucos fui me encaixando, encontrando o meu lugar, me engajando nas coisas e com isso entendi que é só uma questão de tempo e todo mundo é acolhido. Depois disso o colégio é teu! E não é qualquer coisa que você recebe dessa Escola, vou dar um exemplo muito simples: o toque não é uma sirene, é uma música”.